Está insatisfeito com seu servidor de hospedagem? Reclame aqui.

WhatsApp: (33) 9.9946- 1734   Fale Conosco

×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 169

Blog

Blog (12)

O Brasil fez nesta quinta-feira (31) o primeiro teste com telefonia 5G, que vai levar mais longe o sinal da internet pelo celular. A escola do Luiz Augusto fica a só sete quilômetros do perímetro urbano. Até tem sinal de celular, mas internet... “Não funciona, no computador só dá pra usar os jogos que já tem”, reclama o menino Luiz Augusto Antônio Ribeiro, de 11 anos. “Eles leem, digitam resumo, usam o computador com outras ferramentas, mas a internet mesmo não funciona”, confirma a coordenadora pedagógica Mônica Maria do Rosário. Quem está no campo e precisa acompanhar a previsão do tempo, a cotação agrícola, as novidades do agronegócio, enfrenta a mesma situação. “Se a gente pudesse ter um monitoramento online com câmeras e sistema de alarme isso nos ajudaria muito”, afirma o produtor rural Lucas Moreira Alckmin. Foi justamente para melhorar o sinal em áreas rurais que pesquisadores do Instituto Nacional de Telecomunicações no Sul de Minas Gerais começaram a desenvolver a nova geração de dados móveis: o 5G. Foram dois anos e meio de pesquisas para chegar num modelo que promete um alcance bem maior do que o atual: de até 50 quilômetros. Hoje, o 4G só chega a cinco, dez quilômetros das torres. O modelo brasileiro não é o único: Japão, Coreia e Estados Unidos também criaram os seus 5Gs. “A alta vazão de dados, a baixa no tempo de resposta e a internet das coisas estão sendo pesquisadas de forma muito intensa nos Estados Unidos, Europa, Japão e Coreia. A questão do alcance foi deixada de lado então o Brasil está levando essa discussão adiante”, explica Luciano Leonel Mendes, pesquisador do Inatel. A primeira transmissão dessa nova tecnologia foi feita nesta quinta em Brasília. “O 3G levou um tempo maior para entrar no Brasil que no resto do mundo. O 4G a gente entrou junto com o mundo. O 5G a gente está tendo a oportunidade de desenvolver junto com o resto do mundo”, disse o secretário de Política de Informática, Maximiliano Martinhão. Tecnologia desenvolvida a partir das necessidades dos brasileiros. “Tecnologia e educação caminham juntas mesmo, então seria maravilhoso”, afirma a coordenadora pedagógica Mônica.

 

 

Fonte: G1

Sexta, 01 Setembro 2017 08:29

Instagram libera Stories para versão web

Escrito por

O Instagram anunciou nesta quinta-feira (31) que os Stories poderão ser vistos na versão web da rede social de fotos e vídeos. Por ora, as fotos e vídeos efêmeras, que ficam no ar por apenas 24 horas, podem apenas ser vistas nos navegadores de internet. A publicação ainda está restrita ao aplicativo. O Instagram informa que a publicação será liberada nos próximos meses. Mais de 250 milhões de pessoas usam os Stories todos os dias. Segundo o Instagram, como 80% dos usuários do Instagram estão fora dos Estados Unidos, a rede social criou a alternativa para ampliar a variedade de aparelhos que acessam os Stories.

 

 

Fonte: G1

Zurique (Suíça) – “Anu”, um pastor australiano, sai das mãos de seu guia à procura de um ciclista e de uma mochileira perdidos em uma floresta. Ao mesmo tempo, um drone decola para apoiá-lo em sua missão: a tecnologia, o olfato do cachorro e a experiência do homem combinam forças nas tarefas de resgate. Na Suíça desaparecem a cada ano entre 3 mil e 5 mil pessoas, a maioria mochileiros, esportistas acidentados, crianças, pessoas com demência ou com pensamentos suicidas, explica à Agência Efe Romaine Kuonen, presidente da Associação Suíça para Cães de Resgate (Redog), a única associação membro da Cruz Vermelha que procura pessoas desaparecidas no país. Os guias e cães sob o comando de Romaine realizaram no ano passado 22 missões e, desde o final de 2016, trabalham com a Federação Suíça de Drones Civis, com a qual já realizaram em conjunto 12 operações de busca e resgate. “Vimos que precisávamos de um complemento aéreo”, apontou a presidente da Redog. Para cada missão há um drone disponível, comandado por um dos cinco pilotos com licença da Federação, em muitas ocasiões por Dominique Peter, que tem mais de dez anos de experiência com aparelhos não tripulados e que combina sua paixão com uma boa causa. O drone que sai hoje na simulação de resgate das duas pessoas perdidas em Winterberg – no cantão de Zurique – é um Matrice 600 da empresa DJI, fundada em 2006 por Frank Wang. Foram três anos até desenvolver seu primeiro produto, explica em um encontro com a imprensa internacional a responsável de Comunicação para a Europa, Oriente Médio e África, Annika Karstadt. A companhia, diz Annika, conta hoje em dia com uma quota de mercado de 70% e quis apoiar a parceria entre a Redog e a Federação Suíça de Drones Civis. Romaine considera que os cachorros, com cerca de 250 milhões de células olfativas – frente às 5 milhões do homem -, geram ainda “uma das melhores, se não a melhor, possibilidade de encontrar pessoas perdidas ou desaparecidas”. Mas os drones “aumentam a segurança das equipes, a eficácia das operações, reduzem o tempo das buscas e melhoram o fluxo de informação” sobre os meios que são necessários para um resgate, explicou. “Vimos que podemos melhorar o resultado e a eficiência das buscas de pessoas desaparecidas”, disse à Efe o presidente da Federação a Suíça de Drones Civis, Ueli Sager. “Podemos procurar em zonas de difícil acesso para os cachorros, podemos rastrear em pouco tempo áreas amplas e deixar livres para os cães as áreas às quais não podemos chegar, como as florestas”, afirmou. Outra vantagem da utilização de aparelhos não tripulados é a redução dos custos das operações de resgate – que em uma busca de dois ou três dias pode chegar a 44 mil euros – já que torna desnecessário o uso de helicópteros de apoio, explicou Romaine. Além disso, a equipe da Redog e da Federação Suíça de Drones Civis participa de forma voluntária nas buscas, por isso não há salários e os custos são cobertos por doações. Assim, as operações de resgate de pessoas desaparecidas são realizadas combinando a tradição com a inovação e a tecnologia. Por terra, a busca com cachorros, que são treinados por um período de três a cinco anos, ainda é a habitual. Junto a Marianne Baggenstos, “Anu” investiga a área designada com sua coleira de cor laranja e guizos. Caso encontre a pessoa desaparecida, o cachorro pode levar até a guia uma espécie de corda ou latir. A guia continua sendo imprescindível, pois o animal reage às suas instruções. Mas, como explica Dominique Peter, ele como piloto do drone também pode orientar a dupla. Peter se baseia no que o aparelho capta com sua câmera ou nas orientações da pessoa ao seu lado, que usa óculos especiais e tem uma visão muito melhor das imagens. Para o piloto profissional, o drone é “a extensão do seu corpo” e “melhora as possibilidades de sucesso do cachorro” no solo. Um drone, dependendo do modelo, pode voar por aproximadamente meia hora antes de precisar trocar de bateria. Por esse motivo, Peter sempre leva no seu carro um gerador e várias baterias. 

 

 

Fonte: Exame

Google revelou um pacote de ferramentas para a criação de aplicativos de realidade aumentada em aparelhos com o sistema operacional Android, estabelecendo a mais nova disputa com o iPhone, da Apple, sobre recursos da próxima geração de smartphones. A realidade aumentada em telefones, em que objetos digitais se sobrepõem ao mundo real na tela, obteve um enorme impulso de popularidade com o jogo "Pokémon Go". Lançado nos Estados Unidos em julho de 2016, o game levou jogadores para as ruas, escritórios, parques e restaurantes da cidade para procurar os monstrinhos coloridos da Nintendo. A tecnologia do Google estará disponível pela primeira vez no Samsung Galaxy S8 e no Pixel, aparelho desenvolvido pelo próprio Google. A empresa disse em uma postagem que espera disponibilizar o sistema, chamado ARCore, para ao menos 100 milhões de usuários, mas não estabeleceu uma data para um lançamento amplo. Em junho, a Apple anunciou um sistema similar chamado ARKit. O lançamento está planejado para o terceiro trimestre desse ano em "centenas de milhões" de dispositivos. O Google e a Apple vão disputar a atenção dos clientes e desenvolvedores de software que criam jogos, guias de caminhada e outros aplicativos que tornariam a realidade aumentada uma característica atraente. Muitos líderes da indústria de tecnologia prevêem um futuro em que óculos, para-brisas de carro e outras superfícies podem sobrepor a informação digital no mundo real. Google e Microsoft já experimentaram óculos de realidade aumentada.

 

 

Fonte: G1

 

Para variar, a LG não aguentou esperar até o final de semana para revelar detalhes sobre sua nova linha de celulares. A empresa decidiu antecipar-se à MWC, que acontece em Barcelona a partir do domingo, 26, e apresentou o X Power 2, um aparelho intermediário que se destaca pela sua bateria de 4.500 mAh. De acordo com a LG, essa capacidade de bateria é o suficiente para 15 horas de reprodução de vídeo, 14 horas de uso de GPS e 18 horas de navegação a partir de uma recarga completa. O X Power 2 também tem recarga rápida, que pode carregar totalmente a bateria em duas horas. Fora a bateria, o aparelho é bem simples, com uma tela de 5,5 polegadas com resolução HD, um processador octa-core de 1,5 GHz (modelo não-identificado) com memória RAM de 1,5 GB ou 2 GB, com 16 GB de armazenamento com slot para cartão microSD. A câmera traseira é de 13 megapixels e a frontal de 5 MP. O celular roda o Android 7.0 (Nougat). A LG ainda não revelou preços do X Power 2 no mundo, mas a empresa promete que o lançamento global a partir de março. A América Latina será o primeiro mercado para o smartphone, que deve ser lançado na Europa e Estados Unidos pouco tempo depois.

 

 

Fonte: Olhar Digital

Um iPhone 7 Plus teria pegado fogo nos EUA, segundo mostrou em vídeo a usuária do Twitter Brianna Olivas (@briannaolivas_), de 18 anos, moradora de Tucson, Arizona. Segundo o portal Mashable, a Apple já investiga o caso. Será que o fantasma dos Galaxy Note 7 explosivos vai agora assombrar a principal rival da Samsung? Não está claro o que pode ter causado a falha, nem se é um caso isolado ou um problema em série, como aconteceu com os Galaxy Notes 7. Olivas disse ao Gizmodo que estava usando o carregador oficial da Apple com o telefone e que não tinha tido nenhum problema com o aparelho até esta semana. Depois que o dispositivo não ligou mais, ela teria levado para uma loja da Apple, onde os funcionários realizavam testes de diagnóstico, mas não encontraram falhas. ''Na manhã seguinte, eu estava dormindo com o meu telefone carregando ao lado da minha cabeça. Meu namorado pegou o telefone e colocou na cômoda'', disse Olivas. ''Ele foi ao banheiro e, pelo canto do olho, viu meu telefone fumegando e [ouviu] um barulho estridente. No momento em que ele chegou ao telefone, que já tinha pegado fogo, rapidamente o agarrou e jogou no banheiro. Assim que ele jogou no banheiro, ele explodiu e mais fumaça começou a sair dele''. Olivas diz que enviou o telefone para a Apple, e a empresa deu a ela um aparelho substituto. A empresa disse estar realizando testes e espera saber mais sobre o caso em uma semana.

 

Fonte: Uol

Estudantes do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) criaram projeto finalista do evento brasileiro de tecnologia HackBrazil, parceria com o Instituto de Tecnologia de Massachusetts, o MIT, nos Estados Unidos. A equipe de estudantes de engenharia elétrica "Questão de Brio" desenvolveu a chupeta eletrônica que verifica temperatura e umidade corporal dos bebês, que pode vir a reduzir a mortalidade infantil no mundo. O evento acontecerá em abril deste ano nos EUA. Os estudantes Adjamilton Mendes Júnior, Júlio Cézar Coelho e Rychard Guedes apresentarão o projeto "Bubu Digital" para investidores, empresários e pesquisadores de todo o mundo na Brazil Conference, evento que "busca construir um espaço global para discutir o futuro do Brasil e sua função no mundo". Além da equipe Questão de Brio, outros dois finalistas estarão no evento que será apresentado por Luciano Huck nos dias 7 e 8 de abril, na cidade de Cambridge, em Massachusetts, EUA. "Ficamos sabendo do resultado de madrugada e não conseguimos mais dormir, a ficha ainda não caiu. Saber que nosso trabalho está sendo reconhecido é a maior recompensa", conta Júlio Coelho. Rychard Guedes, outro integrante da equipe, diz ser "uma honra muito grande representar o IFPB, a Paraíba e todas as pessoas que nos apoiaram". O evento poderá ser acompanhado online através do site da Brazil Conference. O grupo de estudantes de Engenharia Elétrica do IFPB elaborou uma proposta para desenvolver uma chupeta eletrônica de baixo custo que, por meio de microcontrolador e sensores, seja capaz de verificar a temperatura e umidade corporal da criança. Com o projeto, a equipe foi uma das 20 selecionadas para a fase final da HackBrazil. Os dados coletados pela chupeta seriam transferidos, via conexão sem fio, para dispositivos móveis, como smartphones ou tablets, para informar e alertar se a criança está com alguma enfermidade. Com o monitoramento desses sinais, de forma constante e em tempo real, seria possível contribuir para o acompanhamento da saúde da criança e, numa escala maior, para a redução dos índices de mortalidade infantil. A HackBrazil, que acontece desde 2015, tem o objetivo de estimular a reflexão sobre o futuro do Brasil e seu papel no mundo, além de incentivar ações que busquem soluções para diversos problemas enfrentados pelo país. Para isso, os participantes irão resolver esses problemas com o uso de tecnologia, criatividade e inovação.

 

Fonte: G1

Terça, 01 Novembro 2016 16:55

iPhone 7 começa a ser vendido no Brasil em 11 de novembro

Escrito por

Os novos iPhone 7 e iPhone 7 Plus serão lançados no Brasil em 11 de novembro, segundo o site da fabricante Apple. Os aparelhos, porém, ainda não têm preço sugerido para o país.

Nos EUA, os novos smartphones da Apple chegaram em 16 de setembro. O valor vai de US$ 650 (iPhone 7 com 32 GB de armazenamento) a US$ 970 (iPhone 7 Plus com 256 GB de armazenamento).

As maiores novidades do iPhone 7 são: aparelhos resistentes a água, bateria com carga mais durável e ausência de entrada dedicada para fone de ouvido.

Os celulares vêm com um fone que é ligado na entrada do carregador de bateria. Mas os usuários têm a opção de comprar separadamente um novo fone sem fios, chamado AirPod, que custa US$ 160 nos EUA. O preço sugerido para o Brasil é de R$ 1,4 mil.

Já o iPhone 7 Plus, além destas funcionalidades, terá duas câmeras traseiras: uma grande-angular e outra do tipo teleobjetiva. As duas câmeras traseiras funcionam juntas para dar maior qualidade às fotos.

Os aparelhos serão resistentes a água e a bateria terá a carga mais durável de todos os iPhones já lançados,  anunciou a Apple.

O botão Home será alterado com uma tecnologia sensível ao toque, em vez de se movimentar mecanicamente. Haverá também nova opção de cor do iPhone, chamada jet black.

Fonte: http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2016/10/iphone-7-comeca-ser-vendido-no-brasil-em-11-de-novembro.html

Terça, 01 Novembro 2016 16:04

Instagram: como publicar fotos pelo PC?

Escrito por

>>> Como publicar fotos no Instagram pelo PC?

Oi, Ronaldo! Eu costumo fazer fotos com uma câmera profissional e depois publicá-las no meu Instagram. O problema é que dependendo da quantidade de fotos é um processo muito dispendioso, pois eu tenho que editá-las, copiá-las para o cartão de memória para então usar o aplicativo. Existe alguma maneira de eu publicar diretamente do meu PC? Caroline

Olá, Caroline! O Instagram possui uma versão oficial do seu aplicativo para PCs suportado pelo Windows 10, porém é preciso que o seu computador possua tela sensível ao toque. Existe uma alternativa para a mesma versão do sistema operacional que funciona em qualquer PC, o instalador do programa está disponível nesse link (aqui). Através do InstaPic será possível obter uma experiência de uso semelhante a do aplicativo do Instagram, porém só é possível publicar uma foto por vez na sua conta.

>>> Falha ao tentar apagar conversas longas no WhatsApp

Olá, Ronaldo! Eu estou tendo dificuldade ao tentar excluir conversas longas no WhatsApp, pois ao tocar em limpar as mensagens é exibida uma notificação do Android "O WhatsApp parou de funcionar", e após o aplicativo é reiniciado. Como eu faço para apagar as conversas longas no WhatsApp? Claudete

Olá, Claudete! A falha que você descreveu pode estar relacionada a uma instalabilidade na versão do aplicativo instalada no smartphone. Verifique se a versão mais recente está instalada. Se mesmo assim com a versão atual do WhatsApp o erro persistir, você pode contornar esse problema acessando as suas conversas do pelo computador e repetir a ação de exclusão.

>>> Android não reconhece o cartão de memória

Eu removi o cartão de memória do meu smartphone, e depois disso mesmo reiniciando o aparelho após inseri-lo ele não é reconhecido. Será que o cartão está danificado? Alexandre Gomes

Olá, Alexandre! É possível que o sistema de arquivos do cartão de memória tenha sido corrompido, nesse caso será preciso formatá-lo. Para solucionar o problema, insira o cartão no PC e siga os passos descritos abaixo: 

1 - Faça o download e instale um programa chamado USB Disk Storage Format Tool, disponível nesse link (aqui). 

2 - Execute o programa e defina o cartão com problemas no campo "Device".

3 - Selecione a opção "FAT" no campo "File System".

4 - Clique no botão "Format Disk". 

5 - Insira o cartão de memória no smartphone e verifique se ele está acessível para leitura e gravação de dados. 

Fonte: http://g1.globo.com/tecnologia/blog/tira-duvidas-de-tecnologia/post/instagram-como-publicar-fotos-pelo-pc.html

Terça, 01 Novembro 2016 16:03

Google alerta para brecha sem correção no Windows

Escrito por

O Google publicou um alerta nesta segunda-feira (31) afirmando que criminosos estão explorando uma brecha ainda sem correção no Windows. A falha é utilizada em conjunto com uma brecha no plug-in do Flash, da Adobe, para obter o controle total do sistema quando uma página web maliciosa é visitada.

A Adobe e a Microsoft foram avisadas sobre os problemas no Flash e no Windows no dia 21 de outubro. A Adobe disponibilizou uma atualização no dia 26, mas a Microsoft não disponibilizou uma atualização até o momento e também não confirmou uma data para corrigir o problema.

A brecha no Flash é a mais grave das duas, pois permite que uma página web execute códigos. A vulnerabilidade no Windows é de "escalação de privilégio". Esse tipo de falha normalmente serve de complemento, pois eleva as permissões do código, abrindo caminho para dados e arquivos aos quais o ataque ao Flash não deveria dar acesso. Na prática, significa que o vírus instalado pelo ataque pode ser mais sofisticado e difícil de remover.

Segundo a Adobe, o ataque ocorreu de forma "limitada" contra usuários dos Windows 7, 8.1 e 10. 

O Google garantiu que usuários do Chrome estão protegidos porque o navegador não permite acesso à função vulnerável do Windows. Quem atualizar o Flash ou desativar o plug-in também ficará protegido contra os ataques já em andamento, mas, como a existência do erro foi divulgada pelo Google, é possível que o ataque seja adaptado para uso em outras situações, inclusive fora da web.

A coluna Segurança Digital recomenda a desativação do Flash, exatamente por se tratar de uma frequente porta de entrada em ataques. Os próprios navegadores já estão impondo restrições na execução do plug-in. A maior parte do conteúdo em Flash deve ser desativada em 2017, quando o Flash ficará reservado para apenas alguns sites que ainda não migraram para HTML5.

Prazos diferente para falhas ativas

Quando o Google descobre uma brecha inédita em um software, a empresa aguarda 90 dias para que o desenvolvedor responsável possa corrigir o problema antes da vulnerabilidade ser divulgada. Quando a falha é encontrada já em uso por criminosos, o prazo é de sete dias.

O Google justifica o prazo menor afirmando que ataques que usam brechas sem correção normalmente afetam apenas uma pequena parcela dos usuários e que essas vítimas normalmente precisam saber o quanto antes da existência de ataques. "Ativistas políticos são alvos frequentes e podem haver consequências para a segurança [física] em certas partes do mundo", diz a empresa.

O Google reconhece que sete dias é um prazo "agressivo" e que pode ser pouco tempo para que uma desenvolvedora corrija seu software. No entanto, o Google argumenta que "é tempo suficiente para publicar possíveis recomendações, como desativar um serviço temporariamente, restringir acesso ou entrar em contato para mais informações".

Fonte: http://g1.globo.com/tecnologia/blog/seguranca-digital/post/google-alerta-para-brecha-sem-correcao-no-windows.html

Pesquisar